Aspargos: Benefícios e curiosidades sobre esse alimento típico na Europa

O Aspargo (Asparagus officinalis) é um tipo de legume que pertence à família das Liliáceas. O início do seu cultivo data de cerca de 2.000 anos, porém anteriormente era utilizado apenas como uma planta medicinal. A origem do Aspargo é incerta, mas acredita-se que tenha ocorrido inicialmente na Europa e alcançado o Egito e a Grécia. Seu nome vem do persa “asparag”, que significa brotos que podem ser consumidos.

Romanos e egípcios consideravam o Aspargo como um alimento afrodisíaco. Já Hipócrates, recomendava chá de aspargos secos selvagens para melhorar a função renal, enquanto as raízes eram utilizadas para dores como de dente ou de picada de abelha. Após a Idade Média o consumo de Aspargos se tornou artigo de luxo. Em jantares nobres, servi-los era sinônimo de riqueza por seu alto valor comercial.

No Brasil o cultivo iniciou apenas em 1930 e atualmente é produzido em regiões de clima ameno como no Sul e em São Paulo. Em nosso país ele é considerado um dos legumes mais caros por sua mão de obra intensa e pela especificidade de cultivo. Atualmente os maiores produtores mundiais de Aspargos são a China e o Peru, enquanto a Europa é o maior consumidor.

Os Aspargos que conhecemos são o broto de uma planta que chega a alcançar um metro de altura e que tem preferência por climas frescos. A colheita ocorre quando os brotos atingem no máximo 25 cm, antes que comecem a abrir folhas. Nessa fase eles são cortados bem próximos ao solo.

Existem algumas variedades de Aspargos como o verde, rosado e branco, que é muito comum em conservas. Esse tipo de Aspargo é cultivado coberto com lonas para que não tenha contato com a luz solar e dessa forma não desenvolva clorofila. Em regiões produtoras é possível observar campos inteiros com fileiras cobertas com lona.

A qualidade do solo, assim como a adubação são fatores essenciais na produção de Aspargos. A planta é dioica, ou seja, em sua espécie existem os dois sexos. Sendo assim, é necessário que as flores da planta feminina receba o pólen da planta masculina, transportado por insetos. Os frutos são bagas vermelhas que possuem de 3 a 4 sementes em seu interior, responsáveis pela propagação da espécie.

As plantas produzem por cerca de 10 anos, após esse período a colheita tende a reduzir e os brotos tornam-se finos. Para garantir uma alta produtividade é necessário realizar rotação de culturas com cereais e hortaliças no solo onde os Aspargos são cultivados, aguardando cerca de 8 anos para só então retomar seu plantio.

Após a colheita dos aspargos eles geralmente são amarrados pela base em pequenas quantidades e logo refrigerados. São extremamente sensíveis ao calor, pois tendem a desidratar facilmente, por isso o ideal é mantê-los armazenados em temperatura de quase congelamento, em embalagens com pequenos orifícios que propiciem a passagem de ar. Mesmo em perfeitas condições, quando frescos eles tendem a durar pouco, no máximo 10 dias. Se sofrerem qualquer impacto no transporte podem apodrecer facilmente. Por ser um alimento que exige muitos cuidados é pouco cultivado no Brasil. Devido a todos esses fatores é mais fácil encontrá-los no nosso país em conserva do que fresco.

Os nutrientes presentes no Aspargo atuam na função renal e podem ser extremamente eficazes contra retenção de líquidos. A presença de asparagina, coniferina, vanilina, rutina e tanino são os responsáveis por essa função. É rico em proteínas, fibras e minerais como cálcio, ferro e fósforo. Algumas vitaminas estão presentes em menor quantidade como Vitamina C, K e do Complexo B.

O Aspargo atua no sistema imunológico principalmente por ter zinco e selênio em sua composição. Excelente fonte de Glutationa, o alimento possui ainda potencial antioxidante por combate aos radicais livres. Auxilia na artrite e outras doenças inflamatórias pelo alto teor de saponinas e flavonóides. A Inulina presente no Aspargo atua como um prebiótico para bifidobactérias e lactobacilos, melhorando o perfil intestinal e consequentemente a absorção de nutrientes.

Para prepará-los é bem simples e rápido. Basta cortar uma pequena parte da base dos talos, amarrá-los e cozinhar em uma panela pequena e alta. Coloque-os de pé em água fervente previamente salgada. Para cozinhar o topo no vapor, é necessário cobrir a panela com papel alumínio e aguardar de 5 a 10 minutos. Eles não devem ficar completamente macios, uma certa firmeza no aspecto ajudará a manter a cor viva do alimento.

Os Aspargos podem ser servidos quentes, cobertos com manteiga ou frios com molhos e outros vegetais. É possível realizar diversas preparações como sopas ou tortas, mas o mais comum é servir como acompanhamento para carnes e peixes.

Ingerir Aspargos pode modificar o odor da urina, porém isso não traz nenhum prejuízo à saúde. Por ser rico em purinas, pessoas com altos níveis sanguíneos de ácido úrico devem evitar consumi-lo. Tirando isso, os Aspargos são uma boa dica para balancear a alimentação e adotar um estilo de vida saudável e completo.

Compartilhar esse arquivo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Autor

Instituto Ortomolecular

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios.