Geleia Real: O segredo da longevidade da abelha rainha

Você já deve ter ouvido falar na importância da abelha rainha na colmeia. Afinal, é ela responsável por gerar todas as larvas que se transformarão em abelhas adultas. O fator que diferencia a abelha rainha das abelhas operárias, além da função, é o alimento que ela ingere. Diferente das demais que consomem mel, água e pólen, a abelha rainha alimenta-se exclusivamente de Geleia Real. Devido ao consumo desse alimento, a abelha rainha chega a viver por até 5 anos, enquanto a maior parte das abelhas comuns vive apenas 45 dias.

A observação da existência da Geleia Real ocorreu apenas no século XVIII, quando o naturalista François Huber notou que algumas das larvas eram cercadas por esse alimento. A ingestão de Geleia Real pela abelha rainha mantém também a reprodução de ovos constante e faz com que ela dobre de tamanho e pese até três vezes mais que abelhas operárias. Além da abelha rainha, as larvas em geral também recebem Geleia Real nos seus três primeiros dias de vida, processo que impulsiona o desenvolvimento. Algumas larvas, em especial, são escolhidas pelas operárias para se transformarem em abelhas rainhas, caso seja necessária à substituição ou reposição. Apenas essas são dispostas em células específicas e cercadas de Geleia Real. Esse processo favorece o desenvolvimento dos ovários e o crescimento avançado das mesmas.

Pesquisas indicam que essa ação fisiológica tão importante da Geleia Real acontece devido à presença de uma proteína conhecida como Royalactina, que tem potencial para promover a renovação celular. Ela tem sido estudada como uma das possibilidades mais prósperas no tratamento de doenças neurodegenerativas como o Alzheimer. A produção da Geleia Real, rica em Royalactina, se dá de forma espontânea dentro da colmeia. As abelhas operárias jovens a produzem nas glândulas hipofaríngeas, com a ajuda de enzimas, no momento em que consomem o pólen das flores. O incentivo para a produção da Geleia Real ocorre principalmente quando as abelhas operárias percebem que precisam criar novas abelhas rainhas.

Para desenvolver o ambiente apropriado, os apicultores retiram a abelha rainha ou a isolam das demais abelhas por no mínimo três dias. Dessa forma, as abelhas operárias começam a produzir intensamente Geleia Real e a depositam nas realeiras, cúpulas em que o alimento cerca as larvas escolhidas para se transformarem em abelhas rainhas. É exatamente nesse local de depósito em que a Geleia Real é posteriormente extraída.

Por promover benefícios tão únicos à saúde, as técnicas de extração de Geleia Real foram aprimoradas ao longo do tempo. Para obter um alimento de qualidade e em quantidades maiores, o processo de extração acontece nas estações do ano mais favoráveis, primavera e verão. A comercialização da Geleia Real vem crescendo silenciosamente, porém de modo geral é pouco conhecida, além de ter um custo elevado. Em temperatura ambiente, ela apresenta uma consistência de pasta cristalizada, de cor branca levemente amarelada. O sabor é completamente diferente do mel, bastante ácido e pronunciado. Quando in natura, a conservação deve ser feita no freezer, por no máximo 18 meses.

A ingestão diária da Geleia Real nesse estado é bem pequena. Apenas uma quantidade semelhante a meio grão de feijão do produto ainda congelado é depositado na área sublingual. Já em cápsulas, o consumo é um pouco maior, mas não deve ultrapassar 2,0 gr.

A Geleia Real pode também ser encontrada em forma de grânulos liofilizados, para ser adicionada aos alimentos frios. É importante que ela nunca seja aquecida antes do consumo, o que leva à destruição das suas propriedades. Basta adicioná-la a sucos, iogurtes e saladas, por exemplo.

A ingestão de Geleia Real colabora de diversas formas na manutenção da saúde. Estudos em camundongos revelaram um aumento considerável do tempo de vida de animais que receberam pequenas doses do alimento. Consumir a Geleia Real aumenta o vigor, energia e disposição. A regeneração celular que esse alimento proporciona traz benefícios notáveis à pele. Além disso, por ser rica em antioxidantes, a Geleia Real combate os radicais livres, prevenindo o envelhecimento precoce e doenças relacionadas ao crescimento desordenado de células, o câncer.

Proporciona o aumento da produção de colágeno pelo organismo, uma proteína essencial que fortalece os tecidos, ligamentos, articulações e ossos. O número de hemácias também se torna superior, portanto o alimento pode ser considerado um aliado em pacientes com anemia. A presença da Acetilcolina na composição da Geleia Real, um neurotransmissor do sistema nervoso central, auxilia na memória e reduz a fadiga e estresse mental.

Apesar de oferecer inúmeros benefícios à saúde, a Geleia Real é um alimento de produção reduzida, principalmente por envolver processos complexos na apicultura. Dessa forma, um produto de qualidade acaba sendo caro para a maior parte das pessoas. Não há contraindicações importantes relacionadas ao seu consumo, porém pessoas que tem alergia a picadas de abelha ou já apresentaram qualquer reação na ingestão de mel ou derivados devem evitar. Embora os estudos relacionados à Geleia Real sejam recentes, são extremamente promissores. Acredita-se que ainda existam muitas propriedades e benefícios a serem descobertos nesse super alimento.

Compartilhar esse arquivo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Autor

Instituto Ortomolecular

2 pensamentos “Geleia Real: O segredo da longevidade da abelha rainha

  1. Marilza Bergamo em 28/05/2019 as 21:11 Responder

    Boa noite , por favor gostaria de saber , quantas vezes por dia podemos ingerir a geléia real?

    1. Instituto Ortomolecular em 01/06/2019 as 11:31 Responder

      Olá Marilza, grande satisfação em ter seu comentário aqui! Na matéria nós abordamos que “A ingestão diária da Geléia Real nesse estado é bem pequena. Apenas uma quantidade semelhante a meio grão de feijão do produto ainda congelado é depositado na área sublingual. Já em cápsulas, o consumo é um pouco maior, mas não deve ultrapassar 2,0 gr.”. Dessa forma, a periodicidade da ingestão dependerá da forma da entrega do suplemento e concentração. Lembre-se de consultar seu médico de confiança antes de iniciar uma nova suplementação e de observar os sinais de seu corpo ao longo da aplicação.
      Atenciosamente – Equipe Mídias Sociais Instituto Ortomolecular

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios.