Os diabéticos são as próximas vítimas da precificação abusiva de remédios

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), de 2019 até o ano de 2030, os casos de diabetes, que hoje afetam cerca de 250 milhões de pessoas em todo o mundo, irão dobrar se medidas de controle e prevenção da doença não forem tomadas. A diabetes é uma doença grave que pode ser de origem genética ou não, e pode se tornar crônica. As estatísticas mostram que atualmente cerca de 5% das mortes anuais são causadas por essa doença, e, além disso, aproximadamente 80% dos pacientes afetada pela diabetes vivem em países de baixa renda, onde o acesso ao tratamento e aos medicamentos é mais caro e difícil. 

A diabetes tipo 1 é uma condição genética/auto-imune e é o caso menos freqüente da doença, sendo que para o tipo 1 não existe medida de prevenção, mas somente tratamento com uso diário de doses de insulina, uma vez que o corpo produz pouca ou nenhuma quantidade dessa substância. Já a diabetes tipo 2 ocorre, segundo alerta a OMS, devido a fatores de risco como má alimentação e obesidade, que fazem com que o corpo adquira resistência à insulina e, atualmente, cada vez mais crianças e adolescentes estão sendo acometidos por essa doença. Para esses casos de diabetes tipo 2, mudanças de hábitos alimentares, dietas clínicas como a cetogênica e práticas regulares de exercícios físicos podem reverter o quadro. 

A situação de quem depende da insulina para sobreviver nos EUA

Em um artigo publicado no jornal norte-americano The Washington Post são revelados os altíssimos preços das injeções diárias de insulina, necessárias para um paciente com diabetes tipo 1 sobreviver e como nos Estados Unidos esses valores elevados estão custando a vida de alguns doentes. Segundo o jornal, o mesmo frasco de insulina que em 2001 custava cerca de 35 dólares americanos atualmente custa 270 dólares, o equivalente a 1.100 reais. Esse mesmo medicamento custa em média US $ 67 no Canadá, US $ 60,90 na Alemanha e US $ 46,60 na França, posicionando os EUA como um dos países com a insulina mais cara do mundo, em razão da falta de concorrência e do lobby de empresas farmacêuticas no país. 

 A situação dos diabéticos no Brasil 

No Brasil, a OMS estima que, até 2030, os portadores de diabetes chegarão a 17,6 milhões na idade adulta, duas vezes mais que os atuais 7,3 milhões. Felizmente, os brasileiros contam com a distribuição gratuita de insulina pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e, diferentemente dos norte-americanos, conseguem manter seu tratamento. Insulina de alta tecnologia é oferecida pelo SUS, com efeito prolongado e de formulação análoga à substância natural humana, com origem 100% nacional, mantendo os custos baixos e possibilitando a distribuição gratuita para a população.

Se, em algum momento, a insulina no Brasil deixar de ser gratuita, pode-se esperar casos extremos como os encontrados no Estados Unidos. Uma vez que os custos repassados com encargos poderão ser abusivos e controlados por grandes empresas, é natural que a população mais pobre não seja capaz de arcar com seu tratamento. Uma vez que a insulina é um medicamento que garante a vida para aqueles que sofrem com diabetes, cabe à população cobrar de seus governantes para que esse medicamento permaneça na lista de distribuídos pelo SUS.

Compartilhar esse arquivo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Whatsapp
Whatsapp
Autor

Instituto Ortomolecular

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios.