Qual a melhor temperatura para ter uma boa noite de sono?

Com a chegada do outono e do inverno, dormir se torna muito mais agradável. Quem precisa acordar cedo para iniciar a rotina costuma sofrer para sair da cama, que parece mais aconchegante nessas estações do ano. Essa sensação causada pela redução da temperatura é resultado do reflexo do nosso organismo frente ao ambiente. Para verificar o quanto isso interfere no nosso conforto basta notar como ficamos estressados quando somos expostos ao calor intenso.

Se sentir calor durante o dia já pode trazer incômodo, durante a noite essa questão ganha uma importância ainda maior. Isso porque nosso organismo necessita de um ambiente agradável para desenvolver todas as fases do sono e a temperatura pode ser um dos principais fatores.

Especialistas em distúrbios do sono investigaram detalhadamente as respostas do organismo a diferentes temperaturas durante a noite. Segundo as pesquisas, temperaturas acima de 27ºC podem tornar o sono instável e causar grande desconforto, impedindo que o corpo relaxe. Isso acontece porque para atingir as fases do sono, nosso organismo tende a baixar a temperatura em 1 grau. Todos esses processos tornam propícia a produção de hormônios específicos que só são liberados nesse momento. Com o calor, essa regulação é prejudicada e o cérebro acaba não atingindo o sono profundo, conhecido como REM.

Os sintomas de noites mal dormidas são notados a curto, médio e longo prazo. Durante o sono o aumento da frequência cardíaca, sudorese e dificuldade em relaxar fazem com que o corpo gaste mais energia do que deveria. No dia seguinte, o indivíduo acorda com uma imensa sensação de cansaço, exaustão e fadiga, que trazem indisposição para realizar as tarefas. 

Pessoas que dormem mal por mais de um mês podem inclusive desenvolver insônia. O organismo acaba se acostumando a acordar várias vezes durante a noite e a temperatura passa a ser algo indiferente quanto à qualidade do sono. Com o tempo essa insônia pode se tornar crônica e permanecer por muitos anos.

Dormir mal reflete diretamente no estado de humor e principalmente no ambiente de trabalho. Pessoas com baixa qualidade no sono demonstram uma produtividade menor quando comparadas a pessoas com o sono regular. Elas são ainda mais susceptíveis a doenças, devido à queda imunológica causada pelo distúrbio. O acúmulo de radicais livres é notável e exatamente por isso essa população corre maiores riscos de desenvolver câncer e doenças neurodegenerativas relacionadas à carência de antioxidantes.

Tendo em vista todos esses fatores, manter o quarto em uma temperatura confortável durante a noite é algo que merece bastante atenção. Quem utiliza ar condicionado muitas vezes exagera e acaba deixando o ambiente frio demais, o que também é prejudicial. O ideal é que o ar permaneça entre 18ºC e 22ºC. Segundo especialistas, essa é a melhor faixa de temperatura para que o sono seja eficaz e cumpra seu papel rejuvenescedor.

Realizar esse controle utilizando ventiladores pode ser um pouco mais trabalhoso. Nesses casos é recomendado manter o ambiente arejado durante o dia e ligar o aparelho cerca de uma hora antes de se deitar. Investir em termostatos externos pode colaborar a identificar se serão necessárias outras medidas para refrescar o ambiente.

Os umidificadores de ar, aparelhos úteis e de preço acessível, são grandes aliados na manutenção da temperatura. Além de dispor gotículas de água sobre a pele, que acabam aumentando a troca de calor com o ambiente, o umidificador impede que o ar se torne demasiadamente seco devido à ação do ar condicionado. A baixa umidade pode gerar até mesmo eletricidade estática entre o corpo e as roupas ou o cobertor, provocando pequenos choques. O ar seco também acaba irritando a mucosa, prejudicando as vias respiratórias.

Dormir com qualidade é fundamental em todas as fases da vida. Por esse motivo é importante sempre buscar maneiras de melhorar as condições de sono, que podem influenciar diretamente na saúde e no bem estar.

Compartilhar esse arquivo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Share on Whatsapp
Whatsapp
Autor

Instituto Ortomolecular

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios.