Quiropraxia

Muito difundida nos dias atuais, a Quiropraxia é uma área da saúde antiga, que segundo a Associação Brasileira de Quiropraxia visa diagnosticar, tratar e prevenir as desordens do sistema neuro-músculo-esquelético e os efeitos que podem causar no corpo.

A técnica foi desenvolvida por D.D.Palmer por volta de 1895, inspirada na manipulação médica conhecida como bone-setting, a qual incorporou métodos próprios. Apesar dos registros indicarem que os primeiros profissionais em Quiropraxia formaram-se em Iowa, em 1897, há relatos de que Hipócrates já realizava técnicas de manipulação da coluna para aliviar dores na Grécia.

No Brasil, os primeiros Quiropraxistas formaram-se oficialmente em 2004. Embora o conhecimento sobre a Quiropraxia já existisse desde 1922 no país, a maioria deles era passado de geração em geração, sem que existisse uma metodologia específica.

A palavra Quiropraxia vem do grego. “Quiro” significa “mãos”, enquanto “Praxis” remete a “Prática”, ou seja, “Praticar com as mãos”. Através da manipulação vertebral, a terapia trata principalmente dores na região lombar, hérnias de disco, dor ciática, dores na região do pescoço, dores de cabeça, problemas articulares, tensão muscular, disfunção temporomandibular, distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT) e lesão por esforço repetitivo (LER), todos associados à disfunção articular ou subluxação vertebral.

Na maioria das vezes esses problemas ocorrem pelos movimentos de repetição que desenvolvemos ou ainda por má postura, que ao longo do tempo acabam prejudicando o alinhamento da coluna e sobrecarregando outras áreas como pescoço, quadril, lombar ou joelhos através da pisada.

O tratamento da Quiropraxia consiste na utilização de técnicas de ajustamento articular que retiram a pressão exercida sobre os nervos, permitindo que o sistema nervoso retome suas funções no local, de forma adequada. É geralmente indolor, porém isso pode depender do tipo de disfunção já existente. É dividido basicamente em três fases. Na primeira é realizado o diagnóstico através de uma entrevista e de um exame clínico que inclui análise postural, palpação, testes ortopédicos e até mesmo exames de imagem como Raio-X e Ressonância Magnética.

Após a definição de um plano de tratamento, o Quiropraxista deve inicialmente focar em aliviar dores agudas e sintomas relevantes ao paciente como formigamento, rigidez, dormência e edema. Nessa etapa, as sessões costumam ser mais recorrentes, de uma a três vezes na semana e podem ocorrer alguns incômodos pouco pronunciados e bastante aceitáveis nas regiões articulares posteriormente as sessões, principalmente no dia seguinte.

Na segunda fase, o tratamento irá visar à prevenção. O processo de manutenção será implantado de acordo com a necessidade de cada paciente, procurando manter as evoluções do quadro e proporcionar relaxamento e bem estar. As sessões poderão ocorrer quinzenalmente ou em um intervalo de tempo maior. É comum que os profissionais façam orientações posturais para serem aplicadas no dia a dia e que recomendem exercícios de reabilitação específicos para que o paciente realize em casa.

O tempo de evolução é variável, mas geralmente os tratamentos de Quiropraxia podem durar de um a três meses, dependendo de fatores como a idade, estilo de vida e do grau de cooperação durante a sessão. Apesar de ser mais utilizada para alívio de sintomas, esse tipo de terapia, assim como o Shiatsu, pode ser aplicada para melhoria da qualidade de vida, sem que hajam patologias pré existentes. Atletas de alto rendimento podem apresentar ótimos resultados ao implantar a Quiropraxia na rotina.

Os benefícios dessa terapia podem ser observados logo ao iniciar o tratamento. Além do alívio das dores, do relaxamento e do estado emocional, a técnica proporciona uma melhoria na postura, na performance física, na qualidade do sono e nas inflamações locais. As pessoas que utilizam a Quiropraxia a longo prazo podem inclusive reduzir gastos com medicamentos analgésicos e até mesmo evitar procedimentos cirúrgicos invasivos. Através da correção postural e da prevenção, a Quiropraxia impede que as crises de dor retornem, proporcionando uma evolução definitiva do quadro.

A busca por um profissional qualificado, que tenha total conhecimento das técnicas envolvidas na Quiropraxia, é essencial para uma prática segura. A manipulação incorreta da coluna vertebral pode ocasionar sangramentos internos, fraturas, pseudo-aneurismas e até mesmo rompimento da dura-máter, camada mais externa da medula. A Associação Brasileira de Quiropraxia avalia que os riscos existem, mas que a incidência é baixa quando comparada a outros procedimentos médicos. No Brasil, nos últimos dois anos cerca de 16 pessoas sofreram consequências por aplicações incorretas da Quiropraxia. A recomendação da organização é que o paciente busque o histórico do profissional e o registro no conselho da classe antes de submeter-se à terapia.

A Quiropraxia não é indicada apenas em casos peculiares como para pessoas com Osteoporose, Câncer Ósseo, Espondilite Anquilosante Avançada ou Tromboses. De modo geral, a maioria das pessoas pode se beneficiar dessa técnica, desde crianças a idosos, através de uma boa anamnese. Por ser uma prática segura e reconhecida pela Organização Mundial da Saúde, também pode ser aplicada como auxiliar ao tratamento de diversas doenças. O tratamento quiroprático quando adequado é eficaz e pode ser um grande aliado para tratar enfermidades de forma totalmente natural.

Compartilhar esse arquivo
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Autor

Instituto Ortomolecular

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios.